Portal de Notícias e entretenimentos do Litoral de São Paulo

Praça San Marco em Veneza é fechada por causa de nova inundação

0

Na quinta-feira, governo italiano decretou o estado de emergência na cidade por causa das marés altas excepcionais.

Pessoa atravessa uma arcada inundada perto da Basílica de San Marco, em Veneza, na Itália, nesta sexta-feira (15) — Foto: Filippo Monteforte / AFP

A cidade de Veneza, na Itália, foi inundada por níveis de água excepcionalmente altos nesta sexta-feira (15), poucos dias depois de sofrer sua pior enchente em mais de 50 anos. A praça de San Marco, um dos principais pontos turísticos da cidade, foi fechada.

Na quinta-feira, o governo italiano decretou o estado de emergência na cidade por causa das marés altas excepcionais dos últimos dias, alocando 20 milhões de euros para tratar dos danos imediatos.

Na noite de terça-feira (12), Veneza registrou uma histórica “acqua alta” (maré alta), com um pico de 187 centímetros, o segundo recorde histórico, após o de 4 de novembro de 1966 (194 centímetros), danificando monumentos culturais, empresas e residências.

Sem trégua nas inundações, prefeito de Veneza interdita praça São Marcos

Sem trégua nas inundações, prefeito de Veneza interdita praça São Marcos

Há dias, as inundações provocam danos incalculáveis ao patrimônio artístico e imobiliário de uma das joias arquitetônicas do velho continente. Vários hotéis tiveram reservas canceladas e temem pela temporada de inverno.

Por causa do estado de emergência, residentes com casas danificadas pelas inundações receberão até 5 mil euros (R$ 23 mil) e empresas com até 20 mil euros (R$ 22,5 mil) em compensação.

A cidade, alvo de um controverso turismo de massas, recebe 36 milhões de pessoas por ano, 90% deles estrangeiros.

Inundação atinge beco em Veneza, na Itália, nesta sexta-feira (15) — Foto: Filippo Monteforte / AFP

Em jogo o futuro de Veneza

Veneza debate há anos sobre os sistemas mais adequados para se proteger das marés altas. Alguns chegaram inclusive a propor que seja transformada em um museu gigante, sem habitantes, para evitar seu desaparecimento. Atualmente, 50 mil habitantes no centro histórico.

Ante a fragilidade de uma das joias da arquitetura bizantina, o governo convocou para 26 de novembro uma reunião do comitê especial sobre Veneza para analisar a fundo seus problemas de infraestrutura.

Estimativas apontam que o fenômeno das marés altas aumentará devido à mudança climática e ao aquecimento do mar Adriático, de acordo com a France Presse.

Praça de San Marco ficou inundada nesta sexta-feira (15) — Foto: Filippo Monteforte / AFP

O ministro italiano do Meio Ambiente, Sergio Costa, reconheceu na véspera que as causas do desastre são a “consequência direta da mudança climática e da tropicalização dos fenômenos meteorológicos com precipitações violentas e fortes rajadas de vento”.

Na reunião do fim de novembro, será discutido ainda o plano para evitar a passagem de grandes cruzeiros por seus canais assim como o controverso megaprojeto MOSE, que prevê a construção de uma barreira submersa para proteger a cidade da maré alta.

O complexo e custoso sistema de comportas, que foi idealizado há 30 anos, ainda não entrou em funcionamento. As comportas começaram a ser construídas no exterior da lagoa em 2003 deveria estar concluído em 2016, mas não estará pronto antes de 2021.

Enquanto o prefeito de Veneza, Luigi Brugnaro, pede que se “termine o quanto antes”, os ecologistas o consideram faraônico, custoso demais, obsoleto e inadequado.

Veja também


Fonte: Turismo e Viagem – G1

Comentários
Carregando...